A Volta IRL: Omar Souleyman @ Popload Gig

IRL Omar

No domingo passado, a Popload Gig trouxe pra São Paulo o cantor sírio Omar Souleyman. Pra ser bem sincera, não conhecia o artista muito bem, sempre pensei que havia algo um pouquinho de errado em relação ao seu sucesso. Parecia só mais um artista, proveniente de um país o qual a maioria das indústrias ocidentais não sabe quase nada sobre, mas acha legal por ser “exótico”. Pensava isso principalmente pelo fato de ser um artista super aclamado pelo Pitchfork. E o Pitchfork, como a maioria de vocês devem saber, é o Pitchfork. Um site que a maioria das pessoas tem uma relação íntima de amor e ódio. Já foi responsável pelo sucesso de muita gente legal, mas também já disparou críticas absurdamente idiotas e arrogantes – culminando em sua não tão recente decisão de dar notas para álbuns e músicas de hip-hop, após o fenômeno dos 10s do Kanye com My Beautiful Dark Twisted Fantasy.

Mesmo assim fui quis ver o show do Omar e, a verdade é que foi muito legal! A plateia era pequena, pessoal alt de verdade mesmo, que em certos momentos inclusive foram um pouquinho longe demais (imitando o músico, enrolando camisas em volta da cabeça — tudo bem, eu faço que não vi!). Omar veio acompanhado de seu tecladista, que cuida também do autotune utilizado durante o show. Os dois pareciam já estar acostumados com o contexto. afinal faz quase oito anos que gravadora americana Sublime Frequencies, especialista em “apresentar sons obscuros ao grande público”, descobriu o astro. O resultado foram cinco releases ao longo dos anos, sem incluir colaborações com Bjork, Gorillaz e Four Tet.

Pensando de um modo geral, é incrível que esse tipo de som, proveniente de uma cultura pouquíssimo divulgada em países Latino-americanos como o Brasil,  possa chegar até nós. E é ainda mais incrível se os fãs de Omar Souleyman que foram, curtiram o bastante pra descobrir outros artistas, e quem sabe um pouquinho mais sobre a cena musical desses países tão distantes da gente.

omar2

 omar4

omar1

omar3

ART BY NAI TALAMINI